sábado, 2 de junho de 2012

Fases da Vida Adulta


A fase adulta, fenómeno do desenvolvimento humano, apresenta-se com novas responsabilidades, em novos referenciais de existência, em novas conquistas, em busca de um maior entendimento desta importante e mais abrangente etapa da vida humana. Por ser a fase mais longa da existência do ser humano, merece especial atenção, mesmo porque há pouco tempo vem sendo entendida e percebida com tais referenciais.
Assim, compreender as interações que passam o fenómeno da vida adulta, em cada ser humano, é entender o processo de desenvolvimento, com suas aprendizagens e singularidades. É conceber que estar aprendendo é estar vivo, é ter vida, é não envelhecer na sua interioridade. É distinguir-se no social com responsabilidades, com direitos e deveres, com necessidades de partilhar desejos e novas conquistas.


Contudo, são diferenciadas as responsabilidades sociais que advêm ao indivíduo adulto. Tanto pelas conquistas, pelas lutas de classe, pelos preconceitos de raça e género, quanto pelas divisões de tarefas dentro do contexto familiar. A estrutura familiar atual provoca muitas mudanças que, ao longo do desenvolvimento social, foram sendo estabelecidas em normas e conceitos. Não obstante, está a geratividade, como responsabilidade com sua descendência, tanto em relação às pessoas, como também com as realizações produzidas ao longo da vida. Essa responsabilidade pessoal, revelada ao indivíduo na fase adulta de sua vida, pode constituir-se parâmetro para novas aprendizagens e renovadas conquistas, apontando motivações externas para cada pessoa em sua época e momento próprio de vida.

Mesmo que possa não ser do entendimento de muitas pessoas, são várias as transformações biológicas que ocorrem do início ao final da vida adulta. As capacidades físicas são um exemplo disso, as quais poderão reverter-se do físico ao psicológico na fase adulta, e, consequentemente, nas relações intra e interpessoais.

Os aspetos fisiológicos e psicológicos são os que impulsionam a conduta do ser humano. Quando tentamos entender as necessidades básicas de cada ser humano, e como elas são saciadas, devemos compreender que estas fazem parte da interação complexa de mecanismos fisiológicos e processos psicológicos de cada um. Para Schaie e Willis (2003, p. 298), “como adultos, as nossas condutas relacionadas com as necessidades físicas básicas, tais como comer, beber e tomar banho, refletem as expectativas culturais, as experiências de socialização e as condutas aprendidas, além de fatores fisiológicos”.

Assim, as características pessoais, a dinâmica do aprender e os fenómenos biológicos fundamentam e envolvem todas as dimensões do ser humano, em total integração do corpo e do espírito, e do ser com o fazer. Quando isso não ocorre, produz-se alienação e perda do sentido social e individual no viver de cada ser humano.

Mosquera (1982) apresenta as fases da vida adulta em idade adulta jovem, idade adulta média e idade adulta velha. Dentro dessas três divisões e conceções de vida adulta, apresentam-se outras subcategorias, cronologicamente. No entanto, o autor esclarece “que cada fase tem uma problemática específica, dividida em subproblemáticas que atingem as pessoas nos seus momentos decisivos entre o seu próprio projeto vital e as suas relações com os outros”.


Cabe ressaltar que a questão cronológica, que divide cada fase na vida, parece estar ligada à época em que a sociedade vivencia historicamente até à atualidade, ou seja, as divisões de faixa etária podem ser distribuídas de acordo com o contexto social em que a pessoa estiver inserida.

Então, conforme Mosquera, a idade adulta jovem subdivide-se em fase inicial denominada idade adulta jovem inicial, com idade aproximada entre 20 e 25 anos. Em seguida, a idade adulta jovem plena, que compreende dos 25 a 35 anos, e, por fim, a idade adulta jovem final, abrangendo dos 35 aos 40 anos de idade.

No que se refere ao adulto jovem, as suas características físicas e psicológicas, bem como, as suas características únicas, Mosquera elucida que há nesta fase da vida uma grande vitalidade e uma valorização da individualidade. O adulto jovem está dotado dos mais fortes impulsos, os quais se manifestam, tanto pela impulsividade como pelo emprego vivo de suas forças. O seu estado de espírito frente à vida alcançou, por regra geral, um nível elevado. A alegria de viver e o prazer da existência fornecem-lhe perspetivas. Logo, parece que na idade adulta jovem o ser humano busca uma valoração pessoal, objetivando um desejo intrínseco da avaliação positiva de si mesmo pelos conhecimentos até então adquiridos e construídos, sempre numa expectativa de alcançar uma avaliação positiva frente ao social, a respeito de si mesmo. O adulto jovem deseja recompensas rápidas e externas das suas motivações e busca experimentar e demonstrar muita competência, entre produções próprias dos seus investimentos socioeconómicos e desejos intrínsecos.


Ainda, entre as subdivisões da vida adulta jovem salienta-se, que na subfase da idade adulta jovem plena, o adulto toma consciência da chegada na sua existencialidade adulta e procura dar significado pessoal. No entanto, ao final da idade adulta jovem, o indivíduo vivencia situações que lhe atribuem o verdadeiro valor de sua existência e compreende, ou pelo menos idealiza, o que constituirá a sua realização.

Neste sentido, de crescimento em busca da própria realização, não estão apenas tratados os poderes económicos adquiridos na vida adulta, mas o fundamental é que “a pessoa dá-se conta da importância que ela tem como ser humano”.

No que concerne à idade adulta média, as suas subdivisões são a idade adulta média inicial compreendendo a faixa etária dos 40 aos 50 anos, a fase dos 50 aos 60, nomeada de idade adulta média plena e a idade adulta média final, aproximadamente, dos 60 aos 65 anos de idade cronológica.

Nesta segunda fase da vida da idade adulta média, provavelmente o homem tenha conseguido alcançar os seus objetivos particulares de família constituída, de empregabilidade e de moradia, e entre outras perceções acerca da vida, a idade adulta média revela-lhe a temporalidade humana fazendo-se consciente a imortalidade.

Não obstante, no adulto médio, segundo Mosquera (1987, p. 96), parece existir, predominantemente, uma tendência à extroversão, isto é, uma visualização para o mundo exterior. Provavelmente para dar mais firmeza e conteúdo à segurança da sua própria pessoa.

Nisso, provavelmente, percebe a utilidade de suas construções pessoais frente ao social, num ímpeto de ser útil e aprender o que é ser útil. O que motiva o adulto, nesta fase é, possivelmente, a própria disponibilidade.

A motivação de desempenhar as suas atividades e demonstrar as suas capacidades torna-se explícita nas próprias ações sociais. Pode-se supor, também aqui, a retroalimentação de suas ações num sentido se superar os próprios erros.

Assim, pode ser que na idade adulta média inicial revele-se um adulto que se preocupa mais com os outros indivíduos à sua volta do que propriamente com seus desejos e perspetivas, que resultem em consequências positivas ou negativas nas suas subjetividades. O ser humano, com o seu potencial resiliente abrangerá distintas aprendizagens. “Muitos dramas se escondem entre os 40 e 50 anos de idade: fracassos afetivos, sexuais, medos, ansiedades e angústias” (crise da média idade).


Na fase posterior, na idade adulta média plena, os mesmos sentimentos pessoais, apresentados anteriormente na fase entre os 40 e 50 anos, ficam mais evidentes pelas perceções clarificadas das ações sociais. Estas atitudes tornam-se mais dificultadas pelas características próprias dos 50 aos 60 anos, aproximadamente, pois as condições físicas já não acompanham os desejos intrínsecos de cada ser humano.

Significativamente, dos 60 aos 65 anos, na idade adulta média final, agrava-se a preocupação com a idade da reforma, assim como fica enaltecida a perceção pelo desempenho das ocupações socioculturais. Enfim, há um desejo intrínseco de ser recompensado por tudo de útil que tenha produzido ou que se a perceba capaz de realizar.

Neste momento da vida adulta fica evidente a necessidade de ressignificar, todas as condutas sociais e buscar modos significativos de viver pessoalmente. Os motivos internos de tornar-se útil aos demais, talvez pela disponibilidade de tempo, ou por motivações externas de sentir-se bem, assim como a busca por uma qualidade de vida não descoberta, podem ser alguns dos aspetos que possibilitem novas vivências nesta idade.


Seguidamente, encontra-se a subdivisão da idade adulta velha, em idade adulta velha inicial, seguida da idade adulta velha plena e por último, idade adulta velha final. Com as respetivas idades cronológicas de 65 a 70, depois de 70 a 75 anos e por fim, aproximadamente dos 75 anos até a morte.

Sem comentários:

Enviar um comentário